CONVERSAS PERIFÉRICAS

21/04/2021
origem: Vários – Portugal
DATA: 21 | 16:30
DURAÇÃO: 90 MINUTOS
INFORMAÇÕES GERAIS: M/16 | TRANSMISSÃO LIVE
PARA PARTICIPAR: conversasmarionetas.periferias@gmail.com
PARA ASSISTIR: 5€
ACESSO: Livre

SINOPSE

O Periferias celebra o Dia da Marioneta com Conversas Periféricas sobre a Arte das Marionetas: num primeiro momento com lançamento do livro “Marionetas e Formas Animadas – Teorias e Práticas”, dos autores Miguel Falcão e Catarina Firmo (coord.), que se apresenta como resposta ao apelo de revalorização das marionetas e formas animadas; e um segundo, em parceria com a Unima – Portugal, que convida os espectadores a participar num diálogo aberto e curioso totalmente dedicado ao tema do teatro contemporâneo de marionetas, sobre o seu potencial e perspetivas futuras.

LANÇAMENTO DO LIVRO

Este livro apresenta-se como resposta ao apelo de revalorização das formas animadas, que alia, necessariamente, as vertentes da criação, da investigação e da formação, cuja confluência tem dado origem à recuperação ou preservação de tradições e à renovação ou disseminação de práticas artísticas. Se as marionetas e as formas animadas têm sido, elas próprias, para muitos, e ainda hoje, coisas inquietantes (seja porque desafiam os limites do humano, seja porque a vida que adquirem põe em causa antíteses como animado/inanimado), descobri-las e estar na sua presença — por acaso ou de forma intencional — pode ser também, e cada vez mais, um inquietante desafio

BIO MIGUEL FALCÃO

Doutorado em Estudos de Teatro (2006) e especializado em Teatro e Educação (2000), é Professor Coordenador da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa, onde coordena o Domínio de Teatro, bem como o Mestrado em Educação Artística e as Pós-graduações em Animação de Histórias e em Marionetas e Formas Animadas. Tem lecionado disciplinas nas áreas de teatro e educação noutros estabelecimentos de ensino, nacionais e estrangeiros, entre os quais a Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa. É investigador no Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, neste âmbito desenvolvendo estudos sobre História do Teatro, Artes da Marioneta e Teatro na Educação. Tem desenvolvido também atividade nas áreas da criação e da programação, de que destaca, nos últimos anos, o projeto artístico-comunitário Teatro Connosco (2012) e o Festival MuDaTe (2015).

BIO CATARINA FIRMO

Investigadora num projecto de Pós-Doutoramento intitulado “Metamorfose e Desmesura: Marionetas, Figuras e Matérias em Cena”, acolhido pelo Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e pela Université de Nanterre, financiado pela FCT. Doutorada em Estudos de Teatro, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e em Estudos Portugueses, pela Université Paris 8. Professora Adjunta Convidada na Escola Superior de Educação – Instituto Politécnico de Lisboa. Foi docente na Université Paris 8 entre 2009 e 2016.

CONVERSA SOBRE PENSAR MARIONETA, PENSAR O FUTURO

As marionetas como instrumentos teatrais, mas também como objectos plásticos, que permitem diferentes possibilidades, nas quais o público pode reconhecer personagens, estados de alma ou objetos em movimento. As marionetas permitem ainda uma forte inovação nas formas teatrais. O teatro de marionetas é um teatro de formas que se move muito mais nos domínios do fantástico, do onírico e de uma certa poética, talvez gerando uma nova forma de teatro visual, em que o texto pode ter, em alguns casos, menos importância que nas narrativas teatrais tradicionais. Deste ponto de vista, o teatro de marionetas é a arte cénica com maior capacidade de absorver, num cruzamento feliz, as novas tecnologias do palco, ou outras formas teatrais, como a dança, o vídeo, ou a imagem. Há um pensamento que percorre o fazer/ser marionetista, esta é uma possível introdução para refletir sobre este pensamento mágico. Nesta conversa haverá espaço para intervenção do público, por vários canais disponíveis na altura, mas dá-se primazia aos convidados Ildeberto Gama (Unima-Portugal), Isabel Barros (Teatro das Marionetas do Porto); José Gil (S.A.Marionetas ), Jorge Cerqueira (Artista plástico). A conversa contará com a gentileza da moderação de Christine Zurbach (Universidade de Évora).

BIO UNIMA-PORTUGAL

Nasce em 15 de Maio de 1989 num movimento associativo dos marionetistas portugueses profissionais e amadores e todos os interessados na Arte da Marioneta. A UNIMA-P – União da Marioneta Portuguesa, Centro Português da Unima -, é uma Associação Cultural sem fins lucrativos. Tem como como objetivo contribuir para o desenvolvimento da Arte da Marioneta, nomeadamente através da produção, exibição, pesquisa ou outras formas de divulgação, difusão ou apoio e com esta arte servir os valores humanos, entre os quais a paz e a compreensão entre os povos, independentemente da sua raça, suas crenças políticas ou religiosas, a diversidade das suas culturas, em conformidade com os direitos fundamentais do ser humano. Regularmente faz-se representar em reuniões e congressos da Unima Internacional realizados em todo o mundo.

BIO CHRISTINE ZURBACH

Docente na Escola de Artes e membro do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora. Ensina nos cursos de Licenciatura e de Mestrado em Teatro. Desde 1996 investiga em projectos nacionais e internacionais na área do Teatro, com publicações em artigos e livros sobre a dramaturgia e o teatro de marionetas, nomeadamente as formas tradicionais como os Bonecos de Santo Aleixo e o Teatro de Dom Roberto.

BIO ILDEBERTO GAMA

Curso de Cenografia pelo Conservatório Nacional, equiparado a Designer de cena e Mestre em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema, fundou e presidiu às Marionetas de Lisboa onde criou marionetas, cenários e espectáculos. Fundou e presidiu à Alma d’Arame durante 7 anos. Foi aderecista no Teatro Nacional D.a Maria II entre 1978 e 2010. Foi fundador da Unima-Portugal em 1989, tendo feito parte da primeira equipa dirigente. Voltou a pertencer a órgãos sociais como Presidente da Mesa da Assembleia Geral desde 2014 até Janeiro passado, ocasião em que foi eleito como Presidente da Direcção e Conselheiro Nacional.

BIO ISABEL BARROS

Coreógrafa, encenadora, diretora artística do Teatro de Marionetas do Porto desde 2010 e Museu das Marionetas do Porto, inaugurado em 2013. Cofundadora do Balleteatro. Tem um vasto percurso de criação artística, no qual destaca o cruzamento de linguagens, nomeadamente dança, teatro e marionetas. Iniciou a sua colaboração com João Seara Cardoso em 1994, com a cocriação do espetáculo 3ª Estação. É professora da disciplina Formas Animadas na ULP, professora convidada pela ESEL, na Pós-Graduação de Marionetas e Formas Animadas e por várias instituições nacionais e internacionais.

BIO JOSÉ GIL

Nasceu em Alcobaça em 1968. Mestre em Teatro actor/marionetista pela Universidade de Évora, José Gil é membro fundador e diretor artístico da companhia S.A.Marionetas. Presidente da UNIMA Portugal de 2009 a 2017. Membro da Comissão Europeia da UNIMA Internacional. Investigador do teatro de marionetas tradicional português é autor do livro Teatro Dom Roberto – o teatro tradicional itinerante português de marionetas – o saloio de Alcobaça e os novos Palheta com edição do Museu da Marioneta de Lisboa. É autor de mais de 40 textos dramáticos para teatro de marionetas. Participa em diversos festivais internacionais tendo visto o seu trabalho premiado em Praga, Chengdu, Jakarta e Banguecoque. Em 2020 recebe o prémio de Melhor Música Original pela produção Consonância atribuído pelo Guia dos Teatros

BIO JORGE CERQUEIRA

Artista plástico e professor de E.V., E.T., E. A. ( teatro ) dos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico. É formado em Artes do Fogo -Escola de Artes Decorativas António Arroio, Frequentou a ESBAL- Artes Plásticas. Dedica-se à construção de marionetas desde 1992, tendo frequentado estágios de construção de marionetas com : José Ramalho e Cristina Pereira (marionetas de lisboa), Jordi Bertrand, Toni Rumbau, Grupo de Marionetas Mandrágora, Diego Dámian Gilardi, Marcelo Lafontana. Construiu marionetas para diversas peças de teatro para vária s companhias como o TIL, GTAM- Viana do Castelo e continuamente no Fio d’Azeite – grupo de marionetas do Chão de Oliva.

Dá formação em construção de marionetas para vários públicos. Entre 2012 e 2016 colaborou com LA VIVANDIERE ( Nyons, França) onde orientou estágios de construção de marionetas.

Expõe o seu trabalho regularmente em Portugal e no estrangeiro, tendo representado Portugal em Milão a convite do IEFP.

Participou com o seu trabalho em Festivais de Marionetas: Festafife, Mar-Marionetas, Marionetas Em Novembro, Marionetas na Cidade ,6º EIM MONTEMOR, FIMS, EI Marionetas, Periferias, FOME.

Obteve o 1º lugar em 2015 no Concurso e outras Formas de animar-Mar Marionetas – Câmara Municipal de Espinho. Está representado na coleção de marionetas do Museu da Marioneta-Lisboa, Museu de Marionetas de Macau e Museu de Antropologia de Vancouver, Canadá, bem como em coleções particulares.

OUTROS ESPECTÁCULOS